rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

domingo, julho 31, 2011

SPORTING o campeão 2011-2012

«Queridinho, este ano vamos ser campeões!»

« 'Espelho meu, espelho meu, haverá alguém mais forte que eu?!!!»


Este sim, vai ser o ano do leão. Vi o jogo com o Valência e apesar da derrota expressiva pude tirar ilações. Este vai ser seguramente o ano do leão. Tem equipa, tem força, tem velocidade, tem rigor táctico.
Vai ser muito difícil passar em Alvalade. Fora de casa o Sporting tem uma gama de soluções capaz de tornear todos os obstáculos. Creio que se chegar ao Natal no primeiro lugar de lá nunca mais sairá!
O Porto e o Benfica que se cuidem.
O leão ruge e de que maneira!

Na Madeira a criminalidade fiscal é um pantanal...

Enquanto que no continente o cinto se vai apertando cada vez mais, repartindo-se por todos o pesado encargo de repor o país numa situação mais ou menos sustentável, na Madeira passa-se o inverso.A pouca vergonha continua!
Agora (VER AQUI) na Nacional da Madeira foi engendrado um esquema para ninguém pagar impostos. A crise, que a paguem os cubanos do continente, pensarão alguns, de pança cheia e prosápia engravatada.
Um responsável das finanças envolvido no mega-esquema. O país de tanga e estes a gozar com a gente cumpridora. Jardim, sempre com aquele ar vitimizador apontando o dedo a Lisboa e aos colonos do continente, calado que nem rato. Não denuncia pública e frontalmente o abuso, como seria salutar, desejável e até pedagógico, mas refugia-se de forma tíbia, no silêncio que roça a cumplicidade.
A crise vai afundando o país, e não é importada, não. Ela nasce cá dentro, os coveiros são estes e têm rosto. É preciso apontá-los na praça pública. A eles e aos encobridores no pedestal do poder.
O soba indígena, sempre tão lesto, tão palavroso, tão tonitroante, nas catilinárias, agora, fica-se, ajoelha, só se espera que não venha acusar de devassa, a acção pedagógica e corretora do ministério público do continente. Devasso é quem amocha e ajoelha perante estes poderes ocultos que minam a credibilidade do regime. E regimes assim só prosperam com tutores como Jardim...

Marcadores:

sábado, julho 30, 2011

O Sacrossanto «interesse nacional»

É deveras interessante o tema hoje abordado pelo cronista Manuel A. Pina no JN de hoje.
O Serviço de Informações Estratégicas de Defesa pode passar informações «secretas» para firmas privadas se o alegado «interesse nacional» assim o exigir. Diz alguém.
Acontece que o visado, passou essas informações antes de ir trabalhar para a firma onde essas informações foram caír. Será que o interesse pessoal se sobrepôs ao nacional? Será que ganhou algo com essa trasfega de informação? Estar-se-á perante um conflito de interesses?
Era bom que houvesse uma clarificação «superior» a fim de se saber onde acaba o «interesse nacional» e começa o «interesse privado».
Nesta duplicidade, nesta ambivalência, a coletividade pode estar a ser lesada e enormes proveitos poderão estara ser arrecadados por alegados guardiões do templo chamado «interesse nacional»...

O PÚBLICO vai mais fundo nesta melindrosa questão.
A mulher de César continua a ser evocada... mais uma vez...

sexta-feira, julho 29, 2011

Dantes ainda era bem pior...






Aqui vemos prisioneiros portugueses que foram capturados pelo PAIGC, ao tempo da guerra colonial. Estas imagens foram obtidas por um jornalista estrangeiro que foi a Conakri para se inteirar da forma como os prisioneiros eram tratados.






Caça grossa em África. Este animal imponente dava para alimentar um regimento.

No rosto feliz dos militares vê-se estampada uma alegria esfusiante. Para compensar da tristeza que era a perda de vidas e combates sangrentos em ambiente inóspito.








quinta-feira, julho 28, 2011

Três passarinhos...

domingo, julho 24, 2011

O monstro terrorista...



O desejo patológico de «ficar na história» que move muitos loucos por vezes com ar angelical, eis o retrato deste monstro que num acto de crueldade suprema matou e deixou milhares de feridos numa saga destruidora sem perdão.


O que fazer a uma criatura destas?!

Quais as motivações profundas que levaram a este delírio?

«Dar um sinal às massas», foi na sua mente perturbada, o leitmotiv, a motivação profunda, o desejo de sobressaír da mediocridade...


Gente desta é terrível, é a erva daninha da sociedade que urge erradicar sem demora. E há tantos por aí na política... o desejo de perpetuar o nome, de ficar nos anais, quando o talento não existe, há o recurso a este estratagema doentio, a esta barbárie imperdoável.

Enfim, mais um Nero, que ressuscitou da bruma dos tempos...

sábado, julho 23, 2011

O «antes» e... o «depois»...

Com estes argumentos já é foco de todas as mordomias. Longe vai a imagem da escanzelada...



Ao recauchutar das mamas

já não há quem lhe resista

é nova moda nas damas

já dá capa de revista!



Mudar de pneus é seguro

provoca mais aderência

dá tranquilidade, auguro,

e, talvez... mais apetência!


Mamas robustas, bem duras,

exibem... até princesas,

e pagam tantas facturas

que algumas ficam... bem «tesas»...


Ter de mais é abundância

ter de menos... é carência...

há tanta gente com ânsia

de ostentar outra aparência!



Que sorriso radiante

ostenta a bela princesa

nas mamas tem um implante

que lhe dá ar triunfante

mama assim tem mais «nobreza»!




quinta-feira, julho 21, 2011

O negócio da corrupção!

O maior negócio que existe em Portugal é no dizer de Maria José Morgado, a corrupção. Está fartinha de dizer isto e pelos vistos ninguém quer acabar com ele. Muita gente vive nele, prospera nele, colhe frutos dele.
Ela põe o dedo em várias feridas.
Ninguém ameaçou processá-la, nem negou o que disse.
QUEM NÃO SE SENTE NÃO É FILHO DE BOA GENTE.
Será que o país inteiro é filho de gente má?!
VER AQUI QUEM ELA ACUSA FRONTALMENTE!

quarta-feira, julho 20, 2011

Para memória futura...

O campeão este ano vai ser: Sporting, Porto ou Benfica?!
Se nos dessem uma vigésima parte do que investiram, nós conseguíamos ser campeões já este ano! Mas...campeões pra quê?!


Como é possível tanto esbanjamento num período de crise e de austeridade?!


Depois queixam-se de que há um «desvio colossal»!






O país precisa de investir na pesca, na agricultura, nas actividades de propensão exportadora, no ensino, nas novas tecnologias, nes energias renováveis...


Pão e circo já deu o que tinha a dar. Vemos os palhaços ainda no poder mas a quererem vender os circos e ninguém os quer comprar?!


Há que pôr gente séria a gerir o país. Há que vender os circos: estádios, submarinos, aviões de reduzida utilidade em tempo de paz...


O desvio é colossal?! ao preço a que vão subindo os juros, que esperavam?!


Há que inverter radicalmente a gestão política deste país a todos os níveis: governo, autarquias, regiões autónomas, institutos públicos, parcerias público-privadas, exército, marinha, força aérea, hospitais, universidades...



O «desvio colossal» ainda vai ser pior a continuarmos nesta senda! NINGUÉM VÊ?!




As reformas estruturais de Cavaco silva, no tempo das vacas gordas, foi encher a pança a meia dúzia de nababos, abarrotar a função pública de clientelas, criar um exército de novos ricos de Ferrari e jipes topo de gama. Agora pede SOLIDARIEDADE. Olhe para trás e veja o que fez!


Onde estão as reformas estruturais que então urgiam?! Os fundos evaporaram-se. Houve quem desviasse milhões ... e os processos prescreveram...


O país esteve num plano inclinado.MAS «há sempre alguém que resiste!


Honra lhes seja feita: MEDINA CARREIRA, JOÃO CRAVINHO, PAULO MORAIS, MARIA JOSÉ MORGADO... e poucos mais...




Estes que agora reclamam solidariedade podem limpar as mãos à parede. Tudo fizeram para que o país caísse no atoleiro em que caíu!

Marcadores:

segunda-feira, julho 18, 2011

Novas oportunidades!



domingo, julho 17, 2011

Entrevista com D. Moody's...(FICÇÃO)

O direito de resposta é sagrado. O contraditório é um princípio que se deve ter sempre em conta sob pena de se cometerem graves atropelos deontológicos.
Assim, após frenéticas acusações de parcialidade e de defesa dos interesses do dólar em detrimento dso euro, decidimos entrevistar a dita cuja. a famosa Moody's, agencia de notação financeira.
Eis aqui para memória futura, o conteúdo integral dessa audição:

R.B. __ D. Moody's é verdade que faz ataques a Portugal e aos bancos e grandes empresas portuguesas para favorecer o dólar e atacar o euro?
M__ Nada disso, meu caro. Limito-me a transmitir o que vou ouvindo aqui e ali. Escudo-me em pareceres sérios e credíveis...
R.B.__ Por exemplo...
M__ O vosso PR. Disse várias vezes que a situação portuguesa era grave, «explosiva», «insustentável», logo, a nossa conclusão é idêntica. Ele até quer um euro fraco__ para fomentar as exportações__ logo, se a nossa pretensão fosse enfraquecer o euro, até iríamos de encontro aos seus desejos... mas não é o caso, nada nos move contra o euro.
R.B.__Mas a expressão «lixo» é muito contundente!
M__ E as expressões usadas por alguns políticos na campanha eleitoral? Eles disseram cobras e lagartos do governo, de Sócrates, dos políticos no poder, dos empresários ladrões, dos banqueiros corruptos. Nós limitámo-nos a ouvir e registar...
R.B. __ Sabe que em campanhas cometem-se excessos...
M__ Zangam-se as comadres e sabem-se as verdades. A corrupção é o calcanhar de Aquiles de Portugal. Mas ninguém tem a coragem de o assumir. A não ser Maria José Morgado, Marinho e Pinto, Paulo Morais e poucos mais. Portugal tem de assumir essa maleita. Eu sou como o médico que deteta um cancro num doente e tenho a missão, o dever, de o avisar do perigo que corre. Se o não fizer estou a ser desonesta comigo mesma.
R.B.__Mas os médicos curam e o seu comportamento tem efeitos ainda mais nefastos. A banca descapitaliza-se, a bolsa fica deprimida, a economia completamente de rastos... é monstruosa a sua actividade altamente lesiva da nossa saúde financeira, da nossa salubridade económica.
M__ Só acredita em mim quem quer. Se há seguidores é porque se identificam com as nossas análises. Pagam-nos para investigar. Nós divulgamos os resultados dessas investigações. Se os silenciássemos seriamos acusadas de ocultação, encobrimento...
R.B.__Em tempos parece que foi feito isso com o Lemon Brothers, ou não?!
M__ Dissemos o que sabíamos perante dados que nos eram apresentados, se os dados estavam viciados a culpa não foi nossa. Não houve propósito de beneficiar ninguém...
R.B.__Acha que Portugal tem saída?!
M__ Sim, desde que corra com os políticos corruptos, faça leis exequíveis e com poder coercitivo, mandando para a cadeia os delapidadores da riqueza nacional. É preciso uma lei para punir o enriquecimento ilícito, os que enriquecem sem justa causa. É preciso cumprir os concursos públicos e punir quem não os fizer sendo obrigado a isso. A maior parte dos presidentes de câmara são os responsáveis pela miséria económica do país. As empresas municipais são um cancro obsceno. As campanhas eleitorais são a patogénese corruptora mais degradante. Portugal assim não tem um futuro digno, os portugueses irão andar toda a vida a pagar juros altíssimos por causa dos corruptos que estão em postos chave há anos, sem que ninguém tenha a coragem de os denunciar.

sexta-feira, julho 15, 2011

Tenham juízo!!!





















É preciso mudar! e muito, neste país que nos habituou a optar por despesismo supérfluo, por gastos exorbitantes sem contrapartidas palpáveis. Este bem grita: «Se Portugal não mudar, vai-se afundar!»


O binómio custo/benefício deve estar sempre em mente ao serem tomadas decisões. Isto é válido para um chefe de governo, como para um empresário, como para um chefe de família.

Há que ponderar o custo e o benefício e estudar alternativas para aplicação de um capital se o benefício for maior. O conceito de «custo de oportunidade» deve ser também equacionável.

Há tanta despesa supérflua que poderia ser eliminada e os recursos a ela afectos poderiam ser canalizados para algo bem mais rentável, mais urgente.

Se um empresário compra um Ferrari e depois se reune com os trabalhadores e lhes pede para pagarem esse bem com descontos nos seus salários, o que pensarão os trabalhadores desse empresário?!

Não pensarão bem, certamente.

Ora, esse empresário pode ser o governo de V. Excelência.

Como assim?!

Foi adquirido um Ferrari que pouca utilidade tem. É apenas um «brinquedo caro« no dizer do embaixador americano. Um artigo de luxo com pouco rentabilidade.

Esse Ferrari são os submarinos adquiridos por outros governos. O contexto economicofinanceiro do país degradou-se. Será que em termos de custo/benefício não haveria uma melhor aplicação para os dinheiros que custou o Ferrari?

Será que os submarinos produzem ( ou rendem...) de tal forma que o capital neles empregue se justifica?!

Os portugueses não são tolos. Eles sabem que pagamos juros caríssimos e todos os dias estão a crescer, por causa de actos estultos, de opções estratégicas levianas, por burrices pegadas...

Por que não se vende o Ferrari?! Os trabalhadorres portugueses vêem o seu poder aquisitivo baixar de forma brutal enquanto este capital sumptuário e parasita continua a ir por água abaixo?!

Mesmo perdendo algum dinheiro, é opção urgente vender os submarinos. Haverá compradores?

Certamente que há sempre países com poder financeiro robusto que não desdenharão adquiri-los. Nós temos uma justificação excelente; não é por má qualidade do produto mas simplesmente por opção estratégica.

O «patrão do Ferrari» é V. Excelencia, dr Pedro Passos Coelho. Os trabalhadores somos todos nós.

Avalie a situação e responda-me francamente: «será legítimo pedir aos trabalhadores que paguem o Ferrari do patrão?»

terça-feira, julho 12, 2011

A metamorfose...

«VIVA A JUSTA LUTA... DO BICHO DA FRUTA!»




«MORTE AO CAPITAL...VIVA PORTUGAL!»









Ei-lo AQUI... no início da sua carreira política...MRPP legítimo, puro, duro sem papas na língua a favor dos explorados...

Agora, perante as câmaras da TV, como presidente da UE, surge redondo, torneando a verdade, usando a terminologia insípida do recurso a uma cassete já gasta ... não indo ao cerne da questão, não enfrentando a realidade que foi criada, sacudindo água do capote com subtileza...
Diabolizando as agências de rating como se fossem elas as causas da corrupção reinante, as fautoras da crise, as mães de todas as nossas frustrações...
O momento é chegado para dizer basta! Barroso, a cúpula da UE falharam, a arquitectura económicofinanceira subordinando os países à banca (lato sensu) deu no que deu. O tráfico de influencias, a corrupção a todos os níveis, fizeram o resto. A ruína do sistema está a afundar os economicamente mais frágeis e a enriquecer os mais fortes.
Pode vir muito dinheiro mas se continuarem as mesmas metodologias, os mesmos vícios, os mesmos esquemas, tudo irá por água abaixo. Basta de fartar vilanagem!
Durão é o rosto do sistema caduco que conduziu ao fracasso. É preciso reformar de alto a baixo a arquitectura economicofinanceira permitindo ao BCE emprestar aos estados membros e não subordiná-los às vicicitudes do mercado como ora impõe esta arquitectura hiperliberal!

segunda-feira, julho 11, 2011

E se a Moody's tiver razão?



És capaz de ter alguma razão, Rouxinol. Quando leio o Jornal da Madeira e vejo tanta gente a passar fome no continente, pergunto-me a mim próprio quanto melhor não seria aplicar aquele montão de dinheiro mal gasto, em bananeiras...


Ninguém é bom juiz em causa própria. E, se afastássemos a teoria da conspiração e meditássemos um pouco mais profundamente?

Analisemos só (por razões académicas), o caso da Madeira...

Ali existe uma empresa que produz para o lixo. Toneladas e toneladas de produção lançadas borda fora. Tudo pago com dinheiros públicos, direta ou indiretamente por todos nós...


Verbas avultadas, anualmente, vários milhões são lançados em golfadas para o lixo.

Alguém diz algo? O PR sempre zelozo a mandar os portuguese (lato sensu) trabalhar e poupar mais, alguma vez apontou o seu sarcástico dedo ao J.M.?!Alguma vez Pedro Passos Coelho disse algo sobre esta matéria? Alguma vez condenou pública e frontalmente este esbulho, este escândalo, este atentado à racionalidade económica?!

Que me conste, nada. Remetem-se ao prudente (e calculista) silêncio de Conrado...

E os membros do órgão fiscalizador da RAM que são membros de empresas que têm negócios chorudos com o executivo?! Terão moral para fiscalizar eficazmente quem lhes dá compensações enormes? Serão credíveis fiscais do executivo?Não haverá a tentação do silêncio perante casos aberrantes?
Jaime Ramos, o todo poderoso amigo do líder local é um dos beneficiários de inúmeros ajustes diretos através de algumas suas empresas aquando das cheias. Nessa altura, o governo regional não usou nem metade das verbas concedidas! Para onde foi o resto?! O país inteiro interroga-se: sera que a «mamadeira» vai continuar?!VER AQUI TUDO...

Alguém pune os responsáveis destas anomalias graves?


O povo sanciona com o seu voto tais malfeitorias.

Terá futuro esta terra, conduzida por gente que pratica estes actos?

A Moody's mesmo sabendo que corria o risco de perder o cliente, não omitiu a sua preocupação e disse a verdade!

Dói?!Quantas Madeiras não há por essa país fora?!



Nota final: quem se der ao cuidado de ler críticas feitas internamente com seriedade e rigor, sabendo bem que este governo__ com intenções louváveis, reconheça-se em abono da verdade__ainda não apalpou o pulso à realidade profunda do país, aos eventuais alçapões escondidos, pense bem, medite profundamente. É capaz de ser muito mais negro o horizonte coletivo do que aquilo que imaginámos. Sobretudo porque o clima de impunidade é chocante, a justiça é permissiva e por vezes cúmplice, o povo, bem, o povo é o que todos nós sabemos: crédulo, ingénuo, manipulável, e também condicionado por factores financeiros de toda a ordem...

Marcadores:

domingo, julho 10, 2011

A SOLUÇÃO FINAL!

«Não podemos estar reféns dos caprichos das agências de rating americanas. Estão a tentar dar cabo do euro lançando anátemas sobre os países europeus e esquecendo a situação calamitosa dos Estado Unidos. Temos de criar uma agência de rating que funcione como contra-poder. Estou a pensar no José Sócrates para presidir a ela. Que acha, Sarkozy?»


«Há um pequeno senão...»

«Qual é?»



«Como ele é engenheiro sanitário, trata de coisas como lixo e afins, vão dizer que a agência é lixo!»

Zé Povinho continua espezinhado pelos exploradores de Portugal

Continuo a ser explorado: banqueiros, sucateiros, financeiros, politiqueiros...trampolineiros!

sábado, julho 09, 2011

O FIM DE PORTUGAL




























Vejam aquele «almeida» sempre a limpar, a limpar, o lixo que é Portugal.
Exemplo de cidadania, trabalho, dedicação, imaginação, está a contribuír para a nossa prosperidade e para o nosso sucesso.
A turma dos colarinhos brancos, em todo o seu esplendor, quando no apogeu.
A História os recordará, infelizmente...

PORTUGAL VISTO DO FUTURO...




Foi no primeiro quartel do seculo XXI. Portugal foi vítima de uma «vaca sagrada» chamada banca. Naquele tempo o Banco Central Europeu emprestava dinheiro à banca mas não aos países. Portugal foi sendo chantageado__ fruto de agências de rating mais viradas para a defesa do dólar do que para a isenção ...__e as exigências dos credores passaram a subir em espiral. Quanto mais sacrifícios fazia, mais eles diziam que o risco era maior e assim empolavam as exigências. Quanto mais se amochava mais eles nos cavalgavam...
Portugal foi privatizando tudo o que era possível: chegou a privatizar as latrinas, os cemiterios,
as águas, o ar, os charcos... a alma.
Tudo foi por água abaixo. Cada vez a cotação era pior. Até que começou a vender as ilhas. Primeiro foi Porto Santo. O Vaticano deitou-lhe a mão por baixo preço. Foi para retiro espiritual dos padres e das freiras...
Depois a Madeira. Um magnata russo associado a um príncipe árabe compraram-na para fazer dela um paraíso de jogo.
Os Açores foram sendo arrematados ilha a ilha. Deu pouco porque o país já estava mal cotado a nível bolsista e então tudo o que pertencia a Portugal estava vinte graus abaido de lixo. Gozava-se então com a história a ponto de o Quim Barreiros ter feito uma canção parodiando o nosso «HIPERLIXO»...

«Tanta gente nos lixou
Abaixo de lixo estamos
Tudo se privatizou
Em trampa nos transformámos
!...»
!
Banqueiros corruptos __protegidos pelos mais altos dirigentes do país__levaram para o exterior fortunas colossais. O país empobreceu mas eles__ e os seus encobridores no mais alto pedestal__ ficaram podres de ricos. Privatizámos, vendemos tudo o que havia, a preços de saldo.
O Algarve por exemplo, adquirido a preços de saldo pelo exército de libertação irlandês, ficando inacessível pois fizeram um muro de betão que impedia os indígenas de lá entrar.
Restava o rectangulo tradicional onde viviam os esfoemados lusitanos. Quando foi a leilão... não houve compradores, a base de licitação era um euro...
Contudo, alguém teve uma ideia: «VAMOS REFUNDAR PORTUGAL»
E assim foi. Tanto refundaram, refundaram que descobriram petróleo, grandes jazidas. Foi a ressurreição tão ansiada. Então vieram de novo os banqueiros que tinham ido para o exterior, na ânsia de voltarem ao mesmo... mas foram corridos de vez. Nunca mais houve banqueiros em Portugal.

Marcadores:

sexta-feira, julho 08, 2011

Emagrecer, a economia exige-o!

A economia precisa de emagrecer ainda mais. Portugal não pode suportar megalomanias como aquela do Euro-2004...
As câmaras municipais desfazem-se de elefantes brancos. Ou seja, alguns estádios de futebol construídos expressamente para o Euro-2004 estão a gerar tanta despesa que as câmaras (VER AQUI) estão a tentar vendê-los ou arranjar mecanismos de substituição...


Recordo que a Bolsa de Lisboa deu saltos de contentamento quando ganhámos o EURO-2004!!!


Subiu em espiral como se tivéssemos descoberto poços de petróleo... Afinal deu um fiasco, serviu apenas para meia dúzia de figurões botarem faladura nas TV's e serem mais conhecidos além fronteiras.

O país continua a pagar caro esses protagonismos...

Até quando?!


Neste momento o presidente da Liga de clubes alerta para o elevado endividamento dos clubes e adverte para o perigo iminente. O barco nacional vai sofrer com a tempestade financeira que se vai abater sobre a banca. Os reflexos estão à vista. As cautelas serão necessárias. Há que reduzir o elevado passivo sob pena de a situação se tornar incontrolável. VER AQUI.

quarta-feira, julho 06, 2011

Cada cabeça cada sentença...








Portugal continua no topo das polémicas. uns dizem que o dinheiro da «Troika» não era necessário, havia alternativas. Outros dizem que este valor, 75.000 milhões de euros, é insuficientes.


Ver AQUI o Dr Silva Lopes com mais um apontamento sugestivo.


A maldição dos mercados poderia ser o título de um filme apropriado ao nosso caso. O país vive não somente em função da sua perfomance, da produtividade dos seus trabalhadores, mas também, e sobretudo, da volatilidade dos mercados financeiros, da conjuntura europeia, sobretudo da evolução da situação grega.

A Moody's ao descer de forma surpreendente o «rating» da dívida portuguesa, quando o primeiro ministro é acusado internamente de «excesso de zelo», indo mais além do que preconizou a «Troika», é a prova de que os especuladores se sentem impunes e fazem a vida negra a quem mais precisa. Quanto maior é a preocupação. o empenho, maior é o ataque «terrorista» a uma economia. Terrorismo, com terrorismo se paga! A UE tem de reagir!!!

Os chineses criaram a agencia DAGONG, denunciando as práticas encobridoras e especulativas __defensoras dos EUA__ das agencias norte-americanas.
A Moody's esteve na base da queda do banco Lemon Brothers, encobrindo, à outrance, a situação calamitosa existente. O alerta pedagógico não foi dado. Os EUA estão com um défice (sobretudo nalguns estados...) que é de bradar aos céus... no entanto a agência vira-se para a zona euro agitando espantalhos medonhos. Enfim, as agências são jagunços ao serviço dos interessses norte-americanos...

É preciso que a Europa abra os olhos enquanto é tempo. Os estatutos do BCE proibem a concessão de crédito diretamente aos estados membros. Por que não alterar esta postura?
A continuar assim o BCE estará refém dos mercados, assistindo, impávido e sereno ao massacre...

O barco europeu começa a naufragar e não se vislumbram medidas corretoras. As jogadas especulativas dos mercados financeiros só poderão ser travadas com uma actuação global da UE e, do Banco Central Europeu, no sentido de fazer face a esta economia de casino, a este evoluír estilo montanha russa, que manda a racionalidade económica e a coesão social para a valeta e só tem em mente a ganância, o espremer o limão até onde for possível... Se não houver mecanismos eficazes de proteção os países em dificuldades serão varridos, num curto espaço de tempo, pois o caudal de endividamento gera um autêntico «tsunami»...



Há falta de massa cinzenta na UE. Os mercados têm de ser domesticados custe o que custar.
Por que não uma (ou mais) agências de «rating» na UE? António Mexia interroga-se se não será altura de criar uma... VER AQUI.
A UE não se mexe, e quem padece são os países mais frágeis.



O modus actuandi é que se afigura complicado. Tal como as fugas macissas de capitais para off-shores. Que continuam e continuarão incontroláveis...



Dantes, falava-se no dinheiro no colchão, agora o colchão é do tamanho do mundo, é dinheiro que não paga impostos, não cria riqueza e serve apenas para satisfazer caprichos especulativos de alguns em detrimento do asfixiar permanente e doloso de algumas economias.



Marcadores:

segunda-feira, julho 04, 2011

Está livre...



sábado, julho 02, 2011

O PARTIDO DO NORTE




A dinâmica do Norte...





Rui Moreira seria um bom primeiro ministro. Venha o Partido do Norte e vamos ver se tenho ou não razão!
















Ele aí está na rampa da lançamento, o Partido do Norte!







Pela voz sonora e impoluta do líder do F. C. Porto, emerge, aproveitando um certo vazio no espectro político, um partido capaz de fazer justiça às gentes do Norte. Quando vemos dinheiros públicos serem desviados para projetos megalómanos contemplando quase sempre Lisboa e áreas limítrofes, é hora de dizer «basta!»




Pinto da Costa, pese embora certa carga polémica que o envolve, fruta da sua paixão acendrada pelo mui nobre e sempre invicto dragão, muito embora não sendo o cabeça de cartaz, poderá dar um impulso decisivo na criação desta força política capaz de esmagar toda a concorrência. Porquê? As razões são evidentes:



1 - O PSD e CDS irão desgastar-se irremediavelmente com a carga de cavalaria que vão impor ao povo, sempre sob o pretexto da pesada herança socialista e de outras heranças ...







2- O PS está exaurido depois de uma governação longa, carregada de casos e mais casos polémicos onde a seriedade e a transparência foram lançadas às urtigas.






3- O BE está em desagregação acelerada; vai seguir-se um processo de purgas e mais purgas como é timbre de partidos com a sua vocação, e irá desembocar no caos. Caos político, entenda-se. Aquela força galvanizadora que irrompeu no passado já se deteriorou com a incapacidade de se mostrarem capazes de um dia assumirem o poder, pois optaram pela vocação mais populista de capitalizarem o descontentamento popular... e nada mais...






4 - O PCP é igual a si próprio e está circunscrito a uma área sulista e próxima dos centros urbanos mais florescentes. Não se apaga mas também não revigora a chama... não aquece, nem arrefece...





Resta então um partido forte, credível, com ética, capaz de capitalizar o vácuo moral e cívico existente, catapultando todo o Norte __ e refiro-me à massa crítica, ao potencial cultural inovador, ao tecido empresarial sempre em ascensão, mesmo nos tempos mais difíceis, ao conglomerado de opções estratégicas que subjazem a toda uma fenomenologia com vocação triunfadora__, para os píncaros do poder político, corrigindo a marginalização existente face à patológica macrocelia centralizadora que tem sido apanágio dos tempos mais recentes.




A ânsia de um tal projeto, de dimensão globalizante e não paroquialista, é cada vez mais sentida pela generalidade das pessoas. O EXPRESSO , sempre atento ao pulsar da sociedade, sabe bem do que estou a falar. Não, não é utopia falar num Partdo do Norte com vocação ganhadora, pois no espaço entre PS e PSD está a grande oportunidade! é aí que existe um enorme vazio. É aí que vai residir a REGENERAÇÃO nacional!



Gente capaz de corporizar e ser o rosto deste projeto?!



Não falta, felizmente. Mas eu optaria por Rui Moreira, um cidadão impoluto, um empresário culto, virado para o futuro e capaz de ser a força galvanizadora de um projeto nortista mas também de feição nacional, no vero sentido da palavra.



Símbologia?!



A torre dos Clérigos!





Um símbolo imorredoiro de vocação ascética, espírito monástico, que hoje em dia faz tanta falta, quando vemos os políticos com vocação hedonista, festivaleira, mais preocupados em fazer festas para alienar a populaça do que fazer obras credíveis e necessárias...Os políticos de hoje passam a vida a fazer jantares e inaugurar festivais. A festa é o denominador comum. Faz falta seriedade, transparência, rigor, verdade total!


Um espírito espartano, uma ânsia de verdade e de transparência deve catapultar o Norte para o centro do poder. O Sul, eterno sorvedoura de recursos, centro hegemónico do nepotismo mais retrógrado, será subalternizado com a emergência do Partido do Norte. Portugal será mais forte com o partido do Norte!





Alguém tem dúvidas do sucesso?!

Marcadores:

sexta-feira, julho 01, 2011

Alberto João Jardim tem medo!






Não quero independencia, quero mordomias!



















Fátima Lopes, quando você se enconsta a mim sinto que me liberta a... «autonomia»! Você dava uma excelente presidente da República Democrática da Madeira! Já está na hora de mandar borda fora o caduco Cardoso da Av. das Comunidades, o detentor do trono da 5ª da Vigia! O prazo de validade dele já expirou há muito e o meu coeficiente de tolerância já está abaixo de zero!









Enquanto a FLAMA reclama a independência da Madeira, assumindo os riscos inerentes, Jardim, já habituado a sugar nos pategos do contenente (ele diz cubanos...), prefere continuar a sistemática jogada da sanguessuga a que sempre nos habituou. Aliado a uma seita sobrenutrida e
encostada ao erário público, ele brande a espada da autonomia, sempre a sacar, sacar... até onde durar... e os pategos a pagar, a pagar, as suas loucuras, os seus excessos, as suas «excentricidades»...


Ribeira Brava, Ribeira Brava, porque não o levas contigo na próxima enxurrada!?

Chamem-lhe «tolo»!
Era altura de se clarificarem as águas de uma vez por todas! Um referendo é legítimo mas até necessário...
Haja coragem!

Marcadores: